\\ Pesquise no Blog

domingo, 17 de junho de 2012

Processo colaborativo para criação de qual dramaturgia?

Faz uns dias que eu estou me perguntando a questão acima. A criação processual e colaborativa da dramaturgia virou quase um lugar comum da criação teatral contemporânea. Dizem que tal procedimento multiplica as diferenças e pontos de vista, abrindo à dramaturgia final uma riqueza que poderia ser imprevisível caso fosse fruto direto do trabalho de apenas um par de mãos. Que assim seja - e eu bem acredito nisso - a questão que se coloca para mim é qual dramaturgia a ser criada em processo colaborativo?

Retomo um esboço da situação: seis atores, um diretor/dramaturgo, uma diretora-assistente e para além desta primeira equipe, temos ainda um cenógrafo, um figurinista, uma iluminadora e um compositor/diretor musical. Ou seja: são muitas mãos agindo sobre a criação do drama, investigando tentativas inúmeras de se mirar e atravessar um dado problema. Daí, imaginemos o que virá deste encontro: um texto de tantas páginas assinado por um dramaturgo a partir do processo que teve com toda essa equipe. Certo. É possível.

Mas e a peça?

Tenho a sensação de que a partir do fechamento do texto outro processo então deveria começar. Afinal, criamos o texto, mas e a cena? Por mais que sejam - de alguma forma - a mesma coisa (e são, ao mesmo tempo em que definitivamente são distintos), texto e cena são escrituras diferentes. São materialidades diferentes, tempos distintos e uma série de outras diferenças que precisam - eu acho - ser defendidas enquanto tal. Quero dizer: constrói-se o que colaborativamente? Um punhado de texto, de palavras em páginas inúmeras? Ou uma encenação teatral, um jogo erguido a partir de um dado material (qualquer seja ele)?

Fiquei pensando e tramando e começo a achar que o melhor neste CONCRETO ARMADO é começarmos nosso processo a partir de um texto já escrito. Eu quero dizer: por que não, como dramaturgo, oferecer ao elenco e à equipe o texto dramático, desde o início de nosso processo? Por que não começar já com um texto? Não há dúvida alguma sobre o destino dele. Este texto será destruído. A questão que se coloca é outra: sobre qual movimento vamos querer nos gastar? Sobre qual tentativa vamos suar e chorar e gritar e criar? Não acho bom que seja sobre a criação da dramaturgia. Para mim, a dramaturgia textual não é a escrita mais importante. A escrita do corpo do ator é aquilo que fica. O colaborativo é a criação da própria encenação. É a dramaturgia cênica, se assim posso escrever.

Não quer dizer que não podemos fazer o colaborativo em todas as instâncias de um processo. Mas… Se partimos do processo de criação colaborativa como aquele que multiplica o material que temos, me parece sim melhor que nos colaborativemos apenas em relação à criação da cena. A cena - em primeira e última instância - é o nosso todo. É o início e o fim de tudo. É o meio pelo qual chegaremos até você, que nos vê/lê/escuta.

E quanto à dramaturgia: deixemos que seja um pouco atrofiada. Deixemos que falte à ela alguma ousadia imprevista em palavras. Deixemos que o texto seja ainda e totalmente carente de vida, de respiração e corpo. Deixemos que o texto nasça apenas como arrepios, mas que não consuma - de imediato - o nosso corpo. O texto precisa trabalhar. Ele não é verdade imóvel no tempo. Ele precisa correr atrás dos atores. E fazer jus ao nosso momento. O texto precisa de processo. Por isso talvez já chegue pronto.

\\

Nenhum comentário:

Postar um comentário